• banner_de_site_genetica_aditiva_1920x546

Fechar anúncio

11 jul

Tendência de alta no boi que não pára

Tendência de alta no boi que não pára Tendência de alta no boi que não pára

Cortes como a costela, por exemplo, tiveram aumento de 25%. A cotação do boi não pára de subir e bateu recorde no Rio Grande do Sul. Desde janeiro deste ano, a elevação foi de 14,2%, chegando a R 2,25 no mês de julho, conforme a Scot Consultoria. A escassez de matéria-prima é o principal componente para este cenário que provoca ociosidade nas indústrias e encarece o preço nas gôndolas.

Um levantamento semanal feito em diversas regiões pelo Sindicato da Indústria de Carnes do Rio Grande do Sul (Sicadergs) aponta que o valor médio do quilo vivo oscila entre R 2,30 e R 2,40. Bom para os pecuaristas que tem produto e ruim para o consumidor gaúcho.

Segundo a Associação Gaúcha dos Supermercados (Agas), o valor médio do quilo da costela, por exemplo, subiu 25% desde julho de 2006, chegando a R 5,99 no último dia 5. E a previsão é de novos reajustes. De acordo com o presidente do Sindicato do Comércio Atacadista do Estado (Sindicarne), Marcos Lunardelli, a carne com osso chegará ao varejo até R 0,30 mais cara na próxima semana.

- A tendência é de que os preços continuem subindo.

O diretor executivo do Sicadergs, Zilmar Moussalle, garante que a ociosidade é de até 80% em alguns frigoríficos. Com capacidade para abater 3,5 milhões de cabeças por ano, o sindicato estima que saíram das linhas de produção no máximo 1,7 milhão de cabeças neste ano.

O consultor Fabiano Rosa, da Scot Consultoria, explica que o fenômeno é nacional, mas enfatiza que no caso do Rio Grande do Sul fatores adicionais como duas secas consecutivas, exportações de gado em pé para o Líbano e abate elevado de fêmeas tornaram os reflexos mais acentuados.

O coordenador da Comissão de Bovinocultura de Corte da Farsul, Carlos Simm, acredita que a cadeia produtiva pode ter um melhor planejamento para evitar os reflexos do repetitivo ciclo pecuário.

Fonte: Jornal Zero Hora